Carollices

Archive for November 2007

Semana passada recebi um convite da minha amiga Geda, era para ir passar o sábado em Ponta Grossa, uma cidade que fica a uma hora e meia daqui de Curitiba, e fazer rapel na Cachoeira São Jorge. Vimos as fotos do lugar, parecia ser legal. Montamos nosso lanchinho com frutas frescas, suco, água, biscoitos, frutas secas, barrinhas de cereal e lá fomos nós.

Saímos de Curitiba as 7h, era um grupo de mais ou menos 15 pessoas, da academia que a Geda treina. A cachoeira fica dentro de uma propriedade particular, que cobra R$4,00 pela entrada, deixamos o ônibus na sede da fazenda e descemos uns 500 metros a pé, seguindo o rio São Jorge. O lugar é lindo, o rio forma vários poços, alguns de 7 metros de profundidade, demos uma boa olhada em tudo. Lá formou-se um vale enooorme, lindo, e foi numa das paredes do vale que descemos até a cachoeira, uns 50 metros de descida. Lá de cima eu não fazia idéia do que ia encontrar assim que descesse alguns metros… hehehe. A vista é linda, árvores, parede de pedra, a cachoeira à direita, o rio lá embaixo, várias pedras e claro, o anjo (um dos guias que fica lá embaixo cuidando de quem desce), e sim, é verdade, dá um alívio danado quando se vê o anjo lá embaixo, ele estava sobre uma das pedras, segurando a corda.

Fui avisada para cuidar e não meter o pé no vespeiro que tinha no início do negativo, maravilha, lá fui eu. Sou meio apavorada de natureza, estava beeem tensa, mas queria ir olhando tudo, nada de só descer, ou descer olhando a pedra e nada mais, fui devagarinho, xeretando tudo, o vespeiro era um deles, tinha mais de 10, uns pequenos e em atividade como esse de que fui avisada, e outros que ficavam mais longe e muito grandes, vi as camadas da pedra, plantinhas e tudo o mais que tinha na parede. No negativo a história é outra, fiquei lá, soltinha, sem me preocupar com parede pra ralar, tive uma visão geral do lugar, pude me ater aos detalhes, às pessoas sentadas lá embaixo, ao curso do rio, ao som da água caindo, ao céu azul lá em cima, às gotinhas de água que alcançavam… o anjo puxou a corda e segurou firme, é a hora de soltar as mãos e respirar um pouco. Terminei minha descida, estava mais calma já, mas ele pareceu preocupado, minha cara não devia estar muito legal…hehehe… tensão e asma é assim mesmo, a respiração fica bem doida… hehehe… mas logo voltou ao normal… molhei o cabelo e o rosto no rio, e deitei em uma pedra esperando a Geda, que era a próxima. Lá de baixo que se pode ver o quanto você desce, e o quanto é bonito lá. Para voltar há uma trilha entre as pedras e árvores, uns 15 minutos até voltar para a ‘base’.

Desci somente uma vez, ia descer mais uma, mas não deu certo. Mas já estamos pensando em montar um grupo e ir novamente no início do ano que vem. Vimos que será melhor um grupo menor, no máximo umas 10 pessoas, assim não é preciso revezar os equipamentos (não tinha para todo mundo). Vi que é seguro e muito legal, que posso levar meu filhote junto e aposto que ele vai adorar. Me queimei um pouco no sol, meu braço esquerdo ainda dói um pouco, mas o passeio foi ótimo. Obrigada, Gedinha! Em 2008 tem mais… :)

chegada

descendo

parede


Cheguei quinta-feira de Foz do Iguaçú. Depois de passar uns dias no calor de Foz chegar aqui e dar de cara com 9 graus foi meio desanimador, sem falar da gripe que ganhei. As vezes me sinto uma péssima curitibana, sinto frio (muuuito frio) e meus anticorpos não estão acostumados com essa mistura maluca de estações, o que me deixa constantemente “entubida”, a parte boa é poder enviar emails que antes passaram pelo Engripeitor. :)

A Latinoware 2007 foi novamente no PTI que tem uma boa estrutura para o evento. Dessa vez não tinha a tenda que assava vivos os expositores (ufa! ponto para eles) e sim uma área de estandes muuuito legal, próxima da lanchonete e do restaurante, e com ar condicionado. O estande do Debian ficou muuuito legal, invés de ter somente o ‘Debian’ básico escrito no estande, tinha a logo, com espiral e fonte certa!! Mais um ponto para eles. :)

O restaurante e a lanchonete ainda deixam a desejar, pouca variedade, estímulo visual bem baixo (se a comida não agrada meus olhos, tem pouca chance de agradar meu estômago), marcas genéricas de sorvete, atendimento ruim e boa vontade perto do zero. Já o pessoal da limpeza foi ao contrário, constantemente passavam nos estandes retirando lixo, o chão estava limpo, os banheiros também, assim como as mesas de vidro cheias de dedinhos que volta e meia elas limpavam. A equipe de manutenção (ou seria uma “euquipe”) demorava um pouco, mas nos atendeu na medida do possível. Era um rapaz para atender todos os estandes, tivemos alguns problemas, nosso totem não tinha energia, deu curto na tarde do primeiro dia em parte dos estandes, ficamos sem ar condicionado, sem energia, sem internet, mas depois de algumas reclamações para a “simpática” moça da secretaria, que com certeza não estava nada feliz de estar trabalhando no evento, o rapaz da manutenção arrumou tudo.

Uma das coisas legais de eventos é reencontrar amigos e pessoas que só vemos nos eventos, como dois meninos que sempre vejo por aí (FISL 8.0 e no ENLB 2007), mas que não sei o nome o Fabricio e o Murilo, e são muito legais (um cabeludo e outro com camisa do Vi), o Eriberto que mesmo cheio de palestras e mini-cursos ainda arranjou tempo para dar um mini-curso de empacotamento no estande (ok, ele ficou sem voz depois de mais esse, mas valeu a pena), o Oeslei, a Tatiana do Invesalius, o Lobão que era Humberto mas que agora adotou o Lobão de vez, e mais um monte de gente. Outra coisa que gosto é ver pessoas que fizeram e continuam fazendo coisas incríveis andando lá pelo evento, conversando, tirando fotos (e não são poucas as fotos), visitando os estandes, como o Maddog e o Bruce Perens.

O hotel que fiquei esse ano era super legal. Ano passado fiquei em um que dividia o quarto com mais quatro baratinhas, sério mesmo, baratas, foi meio em cima da hora, daí só tinha vaga naquele, mas esse ano fizemos com antecedência, daí foi tranqüilo. Tinha até uma super piscina linda no hotel que só vi a cor no primeiro dia, que demos uma volta para conhecer o hotel, depois disso, nem vi mais a danada, não dava tempo. Mas tudo bem, o Open Beach vem aí.

Mais:
Pena que as passagens saíram em cima da hora e a Pri não pôde ir para Foz. O Thiago tirou fotos muito legais. Paixão deixa certas pessoas muito engraçadas. Empacotamento vicia. Adoro a Stela. O Maddog comprou uma camiseta das Linuxchix. Eu comprei uma camiseta laranja daquelas ‘não-me-perco-na-neblina’ da FSF-LA, liiiiiinda. Ganhei um pinguim fofinho para a coleção. O ClassmatePC com Debian ficou lá no estande e vai para o FISL 9.0 também. O Frank quase ficou maluco, de novo. Os vôos atrasaram pouco. Odeio ar condicionado na posição polar, definitivamente. Adoro essa vida.

Update: 20080228